Articles for Novembro 2010

Waking Life

Datada de 2001, esta animação com cerca de 100 min consiste numa série de monólogos ocasionais nos quais a personagem principal vai contactando com várias pessoas que abordam diferentes aspectos relacionados com temáticas filosóficas, desde o existencialismo à problemática da liberdade, à existência de Deus, etc…
Muito interessante para introduzir várias temáticas de Filosofia.

Blog em http://blogmilfolhas.blogspot.com

Zona proximal de desenvolvimento

Esta noção, introduzida por L. S. Vygotsky, traduz o facto de que, para este autor, existe uma relação estreita entre o desenvolvimento e as possibilidades de aprendizagern. Esta relação analisa-se segundo dois eixos. De um lado, existe um desenvolvimento actual da criança, tal como o podemos avaliar com a ajuda de provas, padronizados ou não. Por outro lado, existe um desenvolvimento potencial que pode ser estimado a partir do que a criança é capaz de realizar com a ajuda de um adulto, num determinado momento, e que realizará sozinha mais tarde. Esta capacidade potencial, mais ou menos de fácil acualização no decurso de uma interacção, corresponde à zona proximal de desenvolvimento. Nesta perspectiva, a aprendizagem torna-se um factor de desenvolvimento. 
M. Fayo
Blog em http://blogmilfolhas.blogspot.com

Atrasos de desenvolvimento

Numerosos estudos ligados aos desenvolvimentos cognitivo, afectivo, motor, etc., permitiram estabelecer uma cronologia média das fases de aquisição de comportamentos ou de competências” . Estes dados podem ser utilizados como normas” de avaliação” dos diversos aspectos do desenvolvimento individual. Os desvios à norma são de diversos tipos; podem consistir numa aceleração ou numa lentificação geral do processo: fenómenos de precocidade ou de atraso propriamente dito; podem também traduzir-se pela fixação num determinado estádio” ou por fenómenos de regressão” . 
Blog em http://blogmilfolhas.blogspot.com

Genética versus Socialização?

Mais um curioso caso que reabre o debate sobre, afinal, quem dita as regras no que toca à assunção da sexualidade humana: a genética ou a socialização? Pode alguém crescer num corpo do sexo x com um cérebro do sexo y? Até que ponto a educação pode interferir no desenvolvimento da nossa identidade sexual? Esta notícia, publicada hoje no JN, pode ser um excelente ponto de partida para abordar não só as questões anteriormente colocadas, como também para servir de base de discussão sobre a possibilidade de casais homossexuais criarem crianças.
Blog em http://blogmilfolhas.blogspot.com

Interaccionismo

Perspectiva epistemológica, que considera que todo o conhecimento deve ser analisado no quadro de uma relação de inter-dependência entre o sujeito que conhece e o objecto a conhecer. Para o interaccionismo, o comportamento não é uma simples reacção ao meio (esquema estímulo-resposta), nem um fenómeno de ernergência das capacidades intrínsecas do sujeito (inatismo), mas um processo interactivo de construção. Numa tal perspectiva, a acção do sujeito sobre o meio é fundamental. No seguimento de autores como L. S. Vygotsky, A. N. Léontiev e H. Wallon, desenvolveu-se o interaccionismo social, que considera a acção recíproca dos membros do grupo e os sistemas de comunicação que a tornam possível, como o principal fenómeno na elaboração dos conhecimentos.
Blog em http://blogmilfolhas.blogspot.com

Desenvolvimento

Noção muito geral que designa o conjunto dos processos de transformação que afectam, quer os organismos vivos, quer as instituições humanas (sociedade, cultura, economia, etc.), quer ainda as suas diferentes propriedades. Na maioria das vezes este termo é portador de conotações continuístas e finalistas, sendo, então, próximo do de evolução; o desenvolvimento conduz a entidade concernente de um estado inicial, reputado de simples ou primitivo, até um estado final considerado mais complexo, mais estável, e até mesmo definitivo. 
A filogénese pode ser interpretada em termos de desenvolvimento; pelo efeito combinado das mutações aleatórias e da adaptação às características do rneio, as espécies evoluiriam de formas simples até à forma particularmente complexa que constitui o homem. 
Em psicologia, esta noção é sobretudo utilizada para designar os factos de evolução que caracterizam a ontogénese; falar-se-à assim de desenvolvimento cognitivo, desenvolvimento afectivo, desenvolvimento da personalidade, etc, 
Um dos problemas fundamentais que se coloca neste domínio é o da identificação dos factores de desenvolvimento; ou mais precisamente do peso respectivo dos diferentes factores potenciais. É possível distinguir quatro tendências principais. 
A. Gesell inicia, em 1929, uma corrente que defende que o desenvolvimento humano é essencialmente regulado pelos factores internos, em particular pela rnaturação do equipamento biológico. Para o construtivismo piagetiano, o desenvolvimento é o produto das interacções entre organismo e meio, sendo as próprias interacções reguladas por mecanismos funcionais de carácter inato (assimilação, acomodação, equilibração). Nestas duas perspectivas, o desenvolvimento é contínuo e hierarquizado; as novas capacidades comportamentais aparecem segundo uma ordem fixa e algumas destas fases de desenvolvimento caracterizam-se por uma reorganização funcional geral . 
No seguimento de L. S. Vygotsky, o interaccionismo social postula a existência de duas fileiras de desenvolvimento, a primeira assente na acção dos factores internos, e a segunda resultando da apropriação e depois da interiorização, por parte do indivíduo, de significações sócio-históricas pré-construídas. Nesta opção, o desenvolvimento apresenta um carácter descontínuo; com a apropriação das significações do grupo, a própria natureza do desenvolvimento muda, passando do biológico ao sócio-histórico. 
Finalmente, para o behaviorismo, o desenvolvimento é o produto da aprendizagem e está, portanto, sob o efeito do meio e mais precisamente das contingências de reforço; traduz-se essencialmente por um enriquecimento do repertório comportamental. É nesta última perspectiva que podem ser estudadas as interacções dialécticas entre desenvolvimento do meio (evolução dos conhecimentos, da cultura das condições económicas) e desenvolvimento psicológico. 
Enquanto nas concepções precedentes, a idade adulta (ou maturidade) constitui, implícita ou explicitamente, o termo do desenvolvimento, uma concepção recente (life-span developmental psychology, ou «desenvolvimento vida-inteira») aplica a noção de desenvolvimento ao conjunto do ciclo de vida, incluindo portanto no seu objecto as diferentes transformações que se produzem na vida adulta, incluindo os processos de degenerescência e de morte.
Blog em http://blogmilfolhas.blogspot.com

Psicologia, Módulo 5 – trabalhos de grupo

Para os trabalhos de grupo do Módulo 5, e tendo em conta que trataremos três temas, sugiro a consulta dos seguintes links:

GRUPO 1

1.6. Dificuldades de aprendizagem 
1.6.1. Situações de dislexia
GRUPO 2

1.7. Insucesso escolar: factores e estratégias para superar
2. Aprender a aprender 
2.1. Estilos de pensamento e estilos de aprendizagem
2.2. Aprendizagem na sala de aula 
2.3. Aprendizagem pela descoberta 
2.4. Motivação para o estudo e para a aprendizagem 
2.5. Activação cognitiva e aprendizagem 
2.6. Treino de métodos de estudo 
2.6.1. Gestão do tempo e do espaço de estudo 
2.6.2. Treino da concentração
A consulta destes sites não é obrigatória. No entanto, relembro que não serão de aceitar trabalhos copiados da internet ou baseados em sites de qualidade duvidosa. Os sites sugeridos foram previamente consultados e aprovados pelo Professor da Disciplina.

Psicologia, Módulo 5 – trabalhos de grupo

Para os trabalhos de grupo do Módulo 5, e tendo em conta que trataremos três temas, sugiro a consulta dos seguintes links:

GRUPO 1

1.6. Dificuldades de aprendizagem 
1.6.1. Situações de dislexia
GRUPO 2

1.7. Insucesso escolar: factores e estratégias para superar
2. Aprender a aprender 
2.1. Estilos de pensamento e estilos de aprendizagem
2.2. Aprendizagem na sala de aula 
2.3. Aprendizagem pela descoberta 
2.4. Motivação para o estudo e para a aprendizagem 
2.5. Activação cognitiva e aprendizagem 
2.6. Treino de métodos de estudo 
2.6.1. Gestão do tempo e do espaço de estudo 
2.6.2. Treino da concentração
A consulta destes sites não é obrigatória. No entanto, relembro que não serão de aceitar trabalhos copiados da internet ou baseados em sites de qualidade duvidosa. Os sites sugeridos foram previamente consultados e aprovados pelo Professor da Disciplina.

Conversas com Deus

O que leva o Homem a voltar-se para a espiritualidade? Que relação é possível manter com Deus quando as condicionantes parecem contrariar toda a lógica e força de vontade?
Este filme, relativamente desconhecido, baseado na obra de Neale Donald Walsch, descreve a espiral de decadência social de um indivíduo que se reencontra a si mesmo, através de “conversas com Deus”.
Recomendado para abordar a ligação do ser humano com a espiritualidade no programa de Filosofia de 10.º ano ou outras disciplinas onde a temática seja abordada.

Blog em http://blogmilfolhas.blogspot.com

FCT e PAP em ASC

Como anunciado na última aula, está já disponível um novo espaço na internet para suporte da orientação da Formação em Contexto de Trabalho e da Prova de Aptidão Profissional. Para aceder, clique aqui.

O acesso a esse espaço é exclusivo das estagiárias da Turma 1214 da Escola Secundária da Trofa, curso de Animação Sociocultural.

O convite que permite a participação neste espaço foi já enviado para os e-mails.