No futuro, haverá menos professores. Graças à internet?

http://www.publico.pt/tecnologia/noticia/em-2025-a-internet-vai-estar-em-todo-lado-mas-tornarse-invisivel-1628059

“A Internet vai tornar-se como a electricidade – menos visível, mas mais profundamente enraizada na vida das pessoas, para o bem e para o mal”. Esta é uma das principais previsões para os próximos 10 anos sobre o mundo online revelada num estudo quando se comemoram 25 anos sobre o surgimento World Wide Web. Para 2025, há previsões optimistas que contrabalançam com visões mais negativas. Mas no geral parece haver uma predição comum: tudo estará ligado à Internet, num ambiente “global, imersivo e invisível”, aumentando a conectividade entre humanos e máquinas e a interferência nas interacções pessoais.

Qual será o papel da Internet na vida das pessoas em 2025 e qual o impacto que terá a nível político, económico e social? E quais serão os impactos mais significativos do uso da Internet na humanidade até 2025? Foram basicamente estas as questões colocadas online pelo Pew Research Center e a Universidade Elon, na Carolina do Norte, EUA, e a que responderam, entre 25 de Novembro e 13 de Janeiro, 2258 de milhares de especialistas convidados a opinar.

As suas respostas foram divididas em 15 teses sobre o futuro do digital, subdividas, por sua vez, entre as mais e menos positivas sobre o que se espera da tecnologia em dez anos.
A informação partilhada na Internet estará tão fortemente ligada à vida quotidiana que se tornará “invisível, fluída como a electricidade, muitas vezes através de intermediários maquinais”, prevê uma das teses citadas no estudo, e que é partilhada por vários dos peritos ouvidos. Há ainda a tese de que irá aumentar a “conectividade global sendo promovidas mais relações à escala planetária e existindo menos ignorância”, com uma população mais informada e educada. Ao existir uma maior aposta na educação através das novas tecnologias serão criadas mais oportunidades, com menos gastos em professores, que arriscam vir a ser substituídos por aparelhos tecnológicos mais baratos e acessíveis.
No futuro, um maior acesso a dados poderá ainda tornar os utilizadores mais “conscientes do seu mundo e do seu comportamento”. Haverá ainda uma maior consciencialização e acção política mas também mais revoltas civis como a Primavera Árabe. As pessoas estarão mais informadas e terão capacidade para trocar comentários sobre as suas preocupações. Com essa proximidade, a capacidade de organização e de reacção sai fortalecida, defende outra das teses divugadas.
A privacidade pertencerá apenas a uma elite
O estudo revela também um “lado negro” do que o futuro tecnológico nos poderá reservar. As desigualdades ficarão mais vincadas através da informação disponível e trocada entre cibernautas, “resultando em ressentimento e possível violência”. “Os abusos e abusadores vão evoluir e escalar”, admite um dos cenários defendidos, sublinhando que a “natureza humana não está a mudar”. “Há preguiça, assédio, perseguição, estupidez, pornografia, truques sujos, crime, e os que os praticam têm uma nova capacidade de tornar miserável a vida dos outros”. Aqui entram realidades como o ciberterrorismo ou violação da privacidade.
A fragilidade da privacidade online é novamente apresentada no estudo como uma realidade para uma maioria. Os especialistas ouvidos no estudo defendem que dentro de dez anos a garantia de privacidade pertencerá apenas a uma “elite”, abastada e de elevada educação.
Estas teses chegam, no entanto, a uma conclusão comum de que chegaremos a um ponto em que não pensaremos que estamos ligados online e em que o estar ligado se confunde com a realidade. David Clark, investigador científico no laboratório de inteligência artificial do MIT e um dos especialistas que participou no estudo do Pew Research Center e da Universidade de Elon, conclui nesse sentido. “A Internet vai tornar-se mais penetrante mas menos explícita e visível” e “ficará, até certo ponto, misturada com o fundo de tudo o que fazemos”, diz Clark.
Hal Varian, economista na Google, fala, por seu lado, no impacto que a Internet terá ao longo da próxima década no “acesso universal a todo o conhecimento humano”. “A pessoa mais inteligente no mundo pode estar encalhada atrás de um arado na Índia ou China. Ligando essa pessoa – e milhões como ele ou ela – vai haver um impacto profundo no desenvolvimento da espécie humana”, argumentou.
De forma anónima, uma bibliotecária usou a sua resposta ao estudo para partilhar uma citação de Albert Einstein: “Tornou-se assustadoramente claro que a nossa tecnologia ultrapassou a nossa humanidade”.

Leave a reply

required

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.