3 Comments

  1. Principalmente ter em conta, por cá, o que diz o último parágrafo da notícia: ” There must be across the board financial incentives, more career opportunities for teachers but most importantly the Education Department and the government must engage teachers in the decision making process in this period of unparalleled change.”

  2. Por cá ainda há muita gente satisfeita que não compreende, dentro da própria classe, como pode haver insatisfação. Há professores sem amor próprio, nem dignidade, que não se importam de continuar a ser menosprezados pela sociedade que ajudam a moldar. E ainda ficam escandalizados quando alguém resmunga com o que está mal. São os tais que dizem que ser professor é uma missão… Missão?! Os médicos e os juízes, regiamente pagos e com regalias escandalosas, dirão que adoram a sua missão, desde que continuem a usufruir daquilo que usufruem. E nós, que os formámos e continuamos a formar? Sem nós, eles andariam a jogar futebol! Ganhamos mal, somos encarados como malandros e arriscamo-nos a apanhar no focinho quando dizemos não a 1 criancinha. Por mim, ao diabo com a missão. Paguem-me bem, respeitem-me e aí, então, eu penso na missão. Por enquanto, tenho contas como toda a gente a pagar e gosto de respeitinho.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.