Fonte: http://www.jn.pt/inovacao/interior/faca-as-contas-paga-uma-fortuna-para-estar-nas-redes-8615888.html

“Faltam 12 horas…prazo final, acabou de sair na mídia, extraoficial, o Facebook vai ser pago”. Se utiliza as redes sociais com regularidade, com certeza que já se cruzou com esta mensagem na sua “timeline”.

De nada adianta copiar ou colar a publicação e muito menos deve pagar o valor que aparece no post. A mensagem é falsa e trata-se de mais uma tentativa de burla. O melhor a fazer, sempre que ela aparece, é denunciar à rede, como ameaça ou spam, protegendo assim outros utilizadores com menos conhecimento.

No entanto, há uma meia verdade nesta história. O Facebook é pago. E não só o Facebook. Os serviços da Google também têm um custo para o utilizador: a privacidade.

Se é verdade que nunca lhe pediram para pagar diretamente estes serviços, há muito que os seus dados, bem como aquilo que faz na Internet, são transacionados. De cada vez que introduz o seu número de telemóvel ou clica num link e preenche um formulário, o mais provável é esses dados serem vendidos. E assim se formam milhares de bases de dados de inúmeras empresas. Atualmente, a comercialização de contactos é um negócio extremamente rentável e bem-sucedido. Agora já percebe por que é que às quintas-feiras recebe sempre aquela mensagem promocional do bar X, ou a promoção do talho Y.

E, mesmo não sabendo desta realidade, a verdade é que concorda com ela. A transação de dados é, muito provavelmente, uma das várias alíneas que ninguém lê, dos “termos e condições” que aparece quando cria uma conta de email ou de uma rede social.